As aulas não podem parar

Mobilidade, Social, Cultural | 15/04/2020

Pré-vestibulares comunitários da Região Portuária adotam rotina de estudo à distância

Há um mês que o isolamento social começou no Rio de Janeiro como principal meio de combater a disseminação do coronavírus. Desde então, dois pré-vestibulares comunitários que funcionam na região do Porto Maravilha se adaptam para garantir que 80 alunos sigam suas rotinas de estudos. “A prova do Enem continua mantida para novembro. Os alunos estão em casa, mas não podemos parar o treinamento. Pouco depois do início da quarentena, migramos para o ambiente online, no mesmo horário das aulas presenciais, à noite. Por sorte, já utilizávamos bastante a plataforma do Google Classroom, e um professor tinha experiência de aulas pelo aplicativo Zoom”, explica Hugo Oliveira, coordenador de projetos culturais do Instituto Caminhantes, responsável pelo Pré-vestibular Comunitário Marielle Franco, que atende 58 estudantes.

A precariedade na conexão da internet e a falta de rede móvel são  problemas apontados neste primeiro momento pelos coordenadores dos projetos. “Hoje a maior dificuldade que encontramos é o acesso precário à internet por parte de alguns alunos. Temos três participantes que não conseguem acompanhar. Estamos viabilizando padrinhos para bancarem esse acesso via celular”, detalha Luciano Castro, diretor  e professor de química do Pré-Vestibular Providenciando o Futuro. Antes da pandemia, as aulas presenciais eram aos sábados para aproximadamente 20 jovens e adultos em um galpão no Santo Cristo. Luciano acrescenta que o site de treinamento ProEnem liberou acesso gratuito para os alunos, o que deu ânimo e garante conteúdo online específico 24 horas. “No próximo sábado, uma psicóloga participará do nosso encontro. Ao longo da semana, disponibilizamos os materiais. No fim de semana, tiramos dúvidas e discutimos os assuntos com todos”, detalha.

Conexão estável, disciplina e infraestrutura doméstica são desafios para alunos e professores

Érica Conceição da Silva tem 30 anos, mora no Santo Cristo com sua mãe, dois primos e um afilhado. Tinha começado há pouco tempo a frequentar as aulas do Pré-vestibular Providenciando o Futuro e agora concilia a rotina da casa com os estudos. Fará este ano sua segunda tentativa para entrar em uma universidade: "Ainda não decidi se quero cursar veterinária ou biologia na faculdade. Posso escolher depois da prova, isso é bom". Érica precisa estudar com o auxílio do celular, pois seu computador estragou. Ela se vê com mais dificuldades em matemática e física, e acha que o site ProEnem está ajudando com essas disciplinas. "Há dias em que consigo estudar de manhã, em outros me dedico à tarde. Às vezes a confusão aqui é tão grande que preciso parar e me concentrar depois. Estou há um mês sem sair de casa. Minha mãe faz parte do grupo de risco, não posso bobear”, descreve.
Professor de história e um dos coordenadores do Pré-Vestibular Marielle Franco, Jefte Pinheiro Jr. conta que a adesão dos alunos é bem menor nas aulas remotas. “Dos 58 alunos que frequentam presencialmente,  um terço tem acompanhado dentre 18 e 23 pessoas. Não é todo estudante que tem uma alfabetização virtual e eletrônica boa, e outros tantos que não contam com a infraestrutura doméstica, computador, telefone celular e internet de bom nível. Mas mesmo com a redução, nós nos sentimos compelidos a manter as aulas remotas principalmente porque o Ministério da Educação não alterou as datas do Enem”, justifica. Ele explica que todo o conteúdo está disponível online, mas que o papel do professor na educação, mesmo à distância, é essencial. “A internet é abundante de material, mas o fato é que muitos jovens não têm a disciplina necessária para organizar o trabalho de estudo. O professor é importante porque orienta o conteúdo a ser estudado, a dinâmica semanal de aulas. Diante da avalanche de possibilidades e conteúdos disponíveis, o aluno se vê paralisado, sem um mapa seguro para navegar”, conclui.
Para quem não quer parar de estudar, a dica é buscar um ambiente tranquilo, sem ruídos, além de manter a rotina. Jefte Pinheiro acredita que aos poucos a adesão vai aumentar. Eles estão mapeando as principais dificuldades de cada aluno para avaliar como incluí-los ao novo sistema de aulas. “Diferente da aula presencial, que tem uma interação mais espontânea com a garotada, a online é mais fria, às vezes a gente não tem a exata noção se está sendo compreendido, se as pessoas estão acompanhando o raciocínio. Estamos todos nos adaptando.” 


Contatos para doação para os pré-vestibulares

Pré-Vestibular Providenciando o Futuro

Informações para alunos, doadores e voluntários: providenciando@gmail.com | (21) 98045-9521 - Raquel | (21) 99597-6123 - Luciano | (21) 99072-8522 - Thaís

Pré-Vestibular Marielle Franco

Campanha de financiamento coletivo https://benfeitoria.com/prevestmariellefranco?ref=benfeitoria-pesquisa-projetos