Bar Imaculada: boemia e cultura na subida do Morro da Conceição

Obras, Social | 09/06/2011

Ângelo Acauã Pacheco, 40 anos, é sócio do badalado Bar Imaculada, na Região Portuária. Antigo frequentador, o empresário e quatro amigos compraram o empreendimento e estão transformando o local em espaço cultural, levando entretenimento, história e boa música à região.

Há quanto tempo o Bar Imaculada está funcionando?

- O bar foi aberto em 12 de agosto de 2010, na Ladeira João Homem, número 7. Passamos a frequentar como clientes em março e nos apaixonamos por tudo. Fizemos a "proposta indecente" e, para a nossa surpresa, funcionou. Estamos aqui como donos desde 15 de abril deste ano.

Como está a "transformação" do Bar Imaculada em centro cultural? Como funcionará isso?

- Não foi feita nenhuma alteração drástica na concepção inicial da casa, que tem público segmentado. São pessoas que valorizam cultura, música, história e todo um modus vivendi do carioca típico. Nossa programação já é diferente. Temos uma rotina de exposições periódicas, respeitamos atradição. Deixamos sempre uma trilha sonora do que temos de melhor na MPB. O bate-papo é sempre de alto nível, acompanhando o público. Tudo isso embarcado na interatividade. O Imaculada tem banda larga Wi-Fi, website e perfis no Twitter , Facebook  e Flickr, entre outras redes virtuais.

Como você vê o futuro econômico da região?

- Há quem afirme que o Rio recebe hoje mais investimentos do que Dubai ou Abu Dhabi. Não tenho como confirmar. O fato é que o volume de investimentos é interessante, e estamos diante de uma extraordinária oportunidade. Naturalmente, se o que está nas maquetes 3D realmente acontecer, a tendência é termos um ótimo local para investimentos, como a região da Gare Oriente, em Lisboa (próxima à Ponte Vasco da Gama), outrora muito degradada e que se tornou uma das mais valorizadas da Europa.

Qual é a atual programação do Bar Imaculada?

- Estamos ainda na comemoração do nosso primeiro aniversário. Vale relembrar que logo na primeira semana reunimos antigos colegas de faculdade do Marcelo Frazão, o idealizador da casa. Resultado: nasceu o Encontro da Gravura. No sábado seguinte, promovemos uma roda de samba para mexer com os ânimos. No posterior, flertamos com o jazz e foi incrível. No outro sábado, foi a vez do chorinho. No próximo dia 10 de setembro, teremos mais samba, fechando no dia 17 também com samba, mas de outra época. Há toda uma ambientação na linha do tempo, com diferentes matizes. A programação pode ser acompanhada no nosso site .

O que você espera para a casa com a requalificação da Região Portuária?

- Vejo um cenário positivo após as reformas. O cronograma das obras tem previsão de conclusão em 2015, quando acredito que estaremos em outro patamar. Provavelmente, outras casas similares ao Imaculada vão surgir. O interesse dos cariocas e dos turistas vai aumentar. Nossa principal preocupação é a de que o Morro da Conceição não seja descaracterizado, não perca sua identidade, mantendo a sensação que aqui temos, de privacidade. Todos os moradores temem que isso mude. Estamos inseridos numa região muito especial e queremos que ela permaneça assim. Se for o caso, abriremos filiais para atender ao crescimento da procura por nossas mesas.

06/09/2011

Tags: