Região Portuária guarda alma do Rio

Obras, Social | 12/07/2011

Passado, presente e futuro da Região Portuária estão em exposição no Centro Cultural dos Correios na mostra "Rio de Janeiro: Um Século de Vivência num Porto Moderno - 1910/2010". São fotos, vídeos e maquetes que revelam a intimidade da Região, sua história e seus anseios para o futuro. A visitação vai até 8 de janeiro de 2012, de terça à domingo, das 12h às 19h.

Para entender de onde veio a inspiração da exposição, o Blog Porto Maravilha conversou com Fernando Dumas, historiador, pesquisador e curador da mostra, que defende: "A Região Portuária guarda a alma do Rio, a alma do carioca..."

Saúde (entre 1904-1906). Antigo dique da Saúde. 
Acervo Iconográfico do Arquivo do Estado - Fundo de Presidência do Estado Obras do Porto do RJ - APERJ

Por que o interesse na Região Portuária? De onde veio a idéia da exposição?

A exposição foi pensada a partir de duas pesquisas acadêmicas, desenvolvidas por mim na Fiocruz e pelo professor Cezar Honorato, da UFF, ambas trabalhando com a região a partir de diferentes aspectos. Percebemos, então, que a sociedade carioca não penetrava aqueles bairros; que o imaginário social da cidade acerca deles permanecia representando-os como lugar sombrio, mal frequentado e sem importância cultural e social. As próprias imagens que levantamos nos arquivos públicos apontam para isso: a região é sempre vista de fora, o olhar não penetra a região e a vida cotidiana de seus moradores continuava invisível.

Porto visto da Baía Guanabara / Thony Serdoura

Qual a sua ligação com o local?

Eu frequento aqueles bairros desde pequeno, nos anos 60. Meu pai era comerciante e era na Rua do Acre que ele comprava, nos atacadistas, os produtos (secos e molhados) que necessitava. Na década seguinte, já aluno do Colégio Pedro II do Humaitá, tinha dois amigos que moravam em Santo Cristo - um na vila portuária e outro no Morro do Pinto - e costumava ir com eles até lá. E essa frequência continuou: fui fazer o ensino médio no Colégio Pedro II da Rua Camerino; meu primeiro estágio profissional foi no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual, quando comecei a conhecer as tradições culturais locais... Enfim, a região portuária faz parte da minha vida há muito tempo, por isso esse olhar estranho e estrangeiro da cidade sobre ela sempre me incomodou. Além disso, como historiador, conheço as leituras produzidas sobre a região e sempre me intrigou a estreita vinculação, sempre reafirmada, com as marcas da escravidão estabelecidas a partir do Mercado do Valongo, porque o que eu vivenciara não apresentava este vínculo na memória nem nas tradições estabelecidas ali. E este foi outro objetivo da exposição: apresentar ao grande público os costumes, as tradições e as práticas cotidianas que existem na região, todas consolidadas a partir das transformações urbanas da cidade consolidadas nos anos 40.

Região Portuária vista de cima / Thony Serdoura

Em sua opinião o que a Região Portuária representa para a cidade?

A região portuária guarda a alma do Rio. A alma do carioca... As vivências lastreadas nas relações de comunidade, na solidariedade e no exercício do companheirismo de vizinhança estão no alicerce do modo de viver do carioca, do jeito carioca de ser. Embora as raízes do samba tenham saído da região com as transformações urbanas que a isolaram da cidade (principalmente a abertura da Av. Presidente Vargas), essa ainda é outra das marcas locais, assim como as "peladas" de fim de semana e as conversas dos vizinhos nas calçadas. Além disso, o patrimônio arquitetônico daqueles bairros, riquíssimo, nos remete a diversos tempos da nossa história, hoje ressignificados na memória da cidade.

Saúde (entre 1907-1908). Começo do desmonte do antigo dique da Saúde. Acervo Iconográfico do Arquivo do Estado - Fundo de Presidência do Estado Obras do Porto do RJ - APERJ

Qual você acha que é o potencial da Região Portuária e o que você espera dela com a chegada do Projeto Porto Maravilha?

Saúde, Gamboa e Santo Cristo têm enorme potencial econômico, com forte apelo turístico e cultural. Além disso, deve se transformar em uma área residencial privilegiada da cidade, pela sua localização e pelo conjunto de tradições e costumes que ali permanecem. Entretanto, é fundamental que as ações do poder público interajam com os moradores no sentido de preservar esse modo de vida, atendendo seus anseios por melhorias da região sem descaracterizá-la culturalmente. O Projeto Porto Maravilha tem tudo para atingir esses objetivos, tanto pela forma de sua condução - conforme tenho observado - quanto pelos próprios objetivos do projeto, que conjugam desenvolvimento econômico e social com preservação e valorização cultural; permanência dos moradores - o que implica em permanências culturais - com estímulo na ocupação habitacional dos espaços. Creio que a Região Portuária do Rio de Janeiro será, em alguns anos, um dos espaços mais importantes no cenário cultural e social da cidade, servindo como modelo para projetos de revitalização de outras cidades portuárias.

07/12/2011

Tags: