Museu do Amanhã diz NÃO ao desperdício de alimentos

Social, Cultural | 04/05/2018

No mundo inteiro, desperdiça-se ou perde-se quase um terço dos alimentos produzidos. E toda esta perda, sozinha, tem efeito sobre o meio ambiente em decorrência da emissão de gases e consumo de água e outros recursos. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/RJ), que desenvolve o projeto “Sebrae no Porto” para dar suporte ao empreendedorismo local, levou ao Museu do Amanhã a iniciativa “Alimentação para o Amanhã”, que discute hábitos alimentares da sociedade atual e impacto futuro. 
No ano passado e ao longo de 2018, o Museu do Amanhã mergulhou no tema alimentação. Contemplada pela chamada para projetos do Newton Fund Institutional Skills, do British Council, a equipe trabalhou com restaurantes e líderes comunitários da Região Portuária do Rio de Janeiro. A experiência levou ao livro de receitas com uso integral de alimentos, sob distribuição gratuita e acesso online aqui.

Evento de encerramento do programa foi na sexta (27), no Museu do Amanhã
De acordo com os técnicos, o desperdício não está apenas no que se vê, mas também no que não se vê. Talos de plantas normalmente não utilizados na culinária ou cascas frequentemente jogadas no lixo poderiam, segundo especialistas da FAO, ser fonte rica em nutrientes e vitaminas - além de reduzir sensivelmente a quantidade de comida jogada fora todos os dias.
Donos de restaurantes e cozinheiros também puderam aprender mais sobre o uso de técnicas sustentáveis em seu dia-a-dia a fim de reduzir o desperdício de alimentos. Além de oferecer receitas mais saudáveis, passaram a economizar na hora de comprar alimentos. Oficina prática na Fazenda Culinária, restaurante também parceiro do projeto, fechou o ciclo de aulas com muito sabor e troca de experiência entre os participantes.
“A iniciativa vem ao encontro do compromisso do projeto Sebrae no Porto, de estar presente na transformação da região com estratégias e ações de capacitação para dar suporte aos empresários para que possam aproveitar plenamente as oportunidades surgidas com a modernização da área que tem como ícone o Museu do Amanhã”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae/RJ, Cezar Vasquez. Restaurantes participantes criaram uma grupo na rede WhatsApp para manter o ritmo de troca além das dicas úteis, mas também de material. O alimento que sobra em um restaurante acaba virando prato em outro, e assim fica mais fácil substituir o que falta.
 
*Com informações do Museu do Amanhã