Novas paradas do VLT homenageiam cultura africana

Obras, Mobilidade, Social, Cultural | 10/12/2018

Grupo aguarda para embarcar no VLT Carioca

O batismo das três novas paradas da Linha 3 do VLT Carioca em homenagem à cultura africana, na Avenida Marechal Floriano, foi comemorado em passeio na segunda-feira, 10 de novembro. A definição dos nomes empregados para a homenagem se deu em encontros promovidos com o movimento negro durante as obras.
Participaram do passeio representantes da Comissão Pequena África, formada por grupos de promoção da igualdade racial, dos monumentos tombados existentes ao longo do percurso do VLT, além do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), da Prefeitura do Rio, por meio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH) e da Subsecretaria de Projetos Estratégicos (SubPe), e da Concessionária do VLT Carioca.
As estações e as rosas negras


VLT circula em teste pela Marechal Floriano
Localizada nas imediações da Central e da praça de mesmo nome, uma das paradas se chamará Cristiano Ottoni/Pequena África, em alusão à área do Centro e Região Portuária que compreende os principais espaços culturais de herança africana.
Já a parada próxima ao Colégio Pedro II se chamará Camerino/Rosas Negras, em menção ao movimento de mulheres que lutou contra a escravidão e pelos direitos dos negros entre o fim do século XIX e o início do século XX.
A parada Santa Rita/Pretos Novos, além de referenciar a igreja de mesmo nome, homenageia o cemitério localizado na área, que não foi aberto para pesquisa arqueológica durante as obras após conversas com entidades do movimento negro e sociedade civil, que solicitaram a não-intervenção em respeito aos seus ancestrais.
Na linha 1, a Parada dos Navios também virará um binômio, passando a se chamar Parada dos Navios/Valongo, já que está próxima ao Cais do Valongo, local de chegada de africanos escravizados descoberto durante as obras do Porto Maravilha declarado Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).


Parada próxima ao Colégio Pedro II se chamará Camerino/Rosas Negras
Além dos nomes das paradas, no Largo de Santa Rita haverá a demarcação da área aproximada do antigo Cemitério dos Pretos Novos. Rosas negras desenhadas em pedras portuguesas e um totem com informações históricas do primeiro local onde se deu o sepultamento de Pretos Novos complementam a sinalização.