Prefeitura do Rio entrega nova orla da Praça XV até o Museu Histórico Nacional

Obras, Mobilidade, Social, Cultural | 29/05/2016

Obras do Porto Maravilha revitalizam conjunto arquitetônico da área que testemunhou marcos da história do Brasil e dão à cidade espaço de 77.978 m² para nova ocupação cultural, prática de esportes e tráfego livre para pedestres e ciclistas
 
Skatistas ganharam mais 120.000 m² para a prática do esporte no Centro

O prefeito Eduardo Paes entregou neste domingo, 29 de maio, a Praça XV, a Praça Marechal Âncora e o Largo da Misericórdia, mais uma conquista da cidade que resgata o rico conjunto arquitetônico da paisagem histórica e destina espaço ao tráfego livre de pedestres e ciclistas no Centro. Os 77.978 metros quadrados (m²) e 777 metros de extensão compõem o terceiro trecho da Orla da Guanabara Prefeito Luiz Paulo Conde entregue aos cariocas e turistas pelas obras de revitalização do Porto Maravilha. As intervenções trazem nova configuração ao local do antigo porto que marcou a chegada da Família Real, de reis, príncipes, nobres e autoridades em séculos de charme e histórias marcantes do Brasil. 
Antes de descerrar a placa de inauguração, o prefeito Eduardo Paes convidou a viúva e o filho do prefeito Luiz Paulo Conde, Rizza e Marcelo Conde para participar da homenagem ao urbanista que dá nome ao passeio de 3,5 quilômetros de extensão entre o Armazém 8 e o Museu Histórico Nacional.  "Isso aqui é o encontro do Brasil com a sua História. A gente quer que os cariocas frequentem o Centro e olhem a sua história. Esse é um espaço especial. A arquitetura do Rio com sua paisagem natural”, disse o prefeito, que lembrou que o prefeito Luiz Paulo Conde foi um grande defensor da remoção da Perimetral e revitalização do Centro.


Ciclistas de Niterói vieram prestigiar a inauguração do novo trecho da Orla Conda

O casal de ciclistas Ariane Fontenelle e Rafael Vieira veio de barcas de Niterói para curtir o novo espaço no Rio. Rafael faz esse caminho todo dia com a bicicleta para trabalhar na Cinelândia e aproveitou o fim de semana para passear com a esposa. "Eu acompanhei a evolução das obras e fico feliz de ver tudo ficando pronto. Agora estou ansioso para pedalar na orla inteira, até o AquaRio", projeta. A moradora de Botafogo Zilma Leocad trouxe o sobrinho João Pedro Gaspar de sete anos para conhecer o novo Centro. Ela lembra como era a Praça Marecal Câmara e aprovou a nova cara: "Aqui ficavam uns carros parados, era escuro com a Perimetral em cima. Está muito diferente e o resultado é incrível. Vale o passeio".
“O Centro é um barato”
Paes explicou que as praças estão cercadas de tapumes para separar a área de construção do Túnel Prefeito Marcello Alencar, parte da Via Expressa. “É muito tapume caindo. Estamos fazendo muita coisa. Vamos entregar um conjunto de obras, o Túnel Prefeito Marcello Alencar nas próximas semanas, as duas etapas do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) e os dois trechos da Orla Conde, entre o 1º Distrito Naval e a Bolsa de Valores, e entre os armazéns 6 e 8 da Avenida Rodrigues Alves. O Centro é um barato. Os cariocas vão voltar a frequentar o Centro, assim como a Praça Mauá. O carioca abraçou a Praça Mauá”, acrescentou.

Prefeito Eduardo Paes homenageou o prefeito Luiz Paulo Conde, que dá nome ao passeio de 3,5 Km, ao lado da viúva do urbanista, Rizza Conde

Além dos 777 metros inaugurados na manhã deste domingo, a prefeitura já entregou 1.600 metros: os primeiros 600 metros na área de Marinha e os 1.000 metros na Avenida Rodrigues Alves, além da Praça Mauá, formando um grande eixo que concentra o maior conjunto arquitetônico histórico e cultural da cidade. As próximas áreas entregues serão a Praça da Candelária e o trecho da Rodrigues Alves entre os armazéns 6 e 8. Ao todo, o Rio ganhará um parque linear de 287 mil m².
A revitalização valoriza prédios históricos e monumentos do entorno. Desde a remoção da Perimetral, edifícios como o Paço Imperial - antiga Casa dos Governadores,  Palácio dos Vice-Reis, o Paço Real, e por último Paço Imperial, antes de virar prédio público -, o Palácio Tiradentes, o Museu Naval, as igrejas de São José, Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé e da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte Carmo (de 1770) ganharam mais visibilidade.  Área há anos utilizada como estacionamento será agora devolvida à população como espaço de convivência de frente para a Baía de Guanabara. O projeto urbanístico que recupera o histórico Largo da Misericórdia - a primeira via pública do Rio de Janeiro - e a Praça Marechal Âncora homenageia o antigo Mercado de Peixes da Praça XV. “As obras da Prefeitura do Rio recuperam essa área que é o lugar de nascimento da cidade. Resgata história e o espaço de vegetação para trazer as pessoas para o Centro. O desenho, sobretudo a passagem subterrânea, será ocupado pelos fazedores de cultura.  E vai estimular a arte pública e a cultura popular nas arquibancadas e passagem de pedestres”, projeta Alberto Silva, presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp).
Com as obras executadas pela Concessionária Porto Novo, contratada pela Prefeitura do Rio para executar as intervenções e prestar serviços públicos nos 5 milhões de m² do Porto Maravilha, a área inaugurada hoje ganhou 150 árvores em 29 canteiros, garantindo no coração do Centro 12.300 m² de cobertura verde. Skatistas ganham 120.000 m² a mais para a prática do esporte em frente ao Museu Histórico Nacional. Para os adeptos da contemplação da paisagem, 360m² em deques de madeira cumari e 50.000 m² de granito compõem o novo ambiente de frente para o mar e perto do Aterro do Flamengo. Ao todo, 400 profissionais trabalharam na obra. A urbanização dos 77 mil m² recebeu 161 bancos e 27 lixeiras.
Shows musicais, teatro e dança 


Atrações gratuitas marcaram a programação da Secretaria Municipal de Cultura na reinauguração da Praça XV

A Secretaria Municipal de Cultura programou grande festa com atrações gratuitas na Praça XV das 10h às 15h. A Fanfarra Black Clube soltou o som dos seus trombones, saxofone, trompete, tuba e percussão na Praça com clássicos dos anos 70 e hits atuais. Bonecos Gigantes da Cia Up Leon animaram a manhã e dividiram atenções com performance das crianças do grupo Arteiros da Cidade de Deus que encenaram esquete sobre a importância histórica do Largo da Misericórdia. O AfroReggae levou à Praça Marechal Âncora o espetáculo Afro Mix, em show que mistura circo, percussão, dança, música clássica e teatro. Diante da Baía de Guanabara quem foi conferir a nova paisagem do Centro pode fechar a festa o grupo de chorinho do sambista Haroldo Costa que recordou clássicos “Carinhoso”, de João de Barro e Pixinguinha, “Delicado”, de Waldir Azevedo, além de “Noites Cariocas” e “Doce de Coco”, de Jacob do Bandolim.


 
 Fotos: Bruno Bartholini Mançu

Curta a galeria de fotos no Facebook