Cia Brasileira de Ballet ensaia e forma bailarinos nos Galpões da Gamboa

Social, Cultural | 18/03/2016

  • Titulo da Imagem

    Companhia Brasileira de Ballet ensaia na Vila Olímpica da Gamboa

  • Titulo da Imagem

    Companhia Brasileira de Ballet ensaia na Vila Olímpica da Gamboa

  • Titulo da Imagem

    Companhia Brasileira de Ballet ensaia na Vila Olímpica da Gamboa

  • Titulo da Imagem

    Companhia Brasileira de Ballet ensaia na Vila Olímpica da Gamboa

  • Titulo da Imagem

    Companhia Brasileira de Ballet ensaia na Vila Olímpica da Gamboa

  • Titulo da Imagem

    Companhia Brasileira de Ballet ensaia na Vila Olímpica da Gamboa

  • Titulo da Imagem

    Companhia Brasileira de Ballet ensaia na Vila Olímpica da Gamboa

Vizinhos dos barracões da Cidade do Samba que fazem o Carnaval da Sapucaí, os Galpões da Gamboa evoluem em ritmo clássico. Bailarinos com suas malhas coloridas, som vigoroso de música instrumental, saltos perceptíveis pelas frestas das grandes portas de ferro fundido do prédio histórico mostram um movimento diferente no bairro. Parceria entre a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (Smel) e a Companhia Brasileira de Ballet (CBB) trouxe o grupo para a Vila Olímpica da Gamboa em janeiro. Com a instituição, aulas profissionalizantes gratuitas para formar bailarinos. A companhia veio para o Porto Maravilha com o Projeto Aprendizes, que promove formação e inserção no mercado de trabalho da dança. As inscrições dão prioridade a moradores da Região Portuária e estudantes da rede pública de ensino.
A CBB construiu quatro salas para balé infantil, balé adulto, ginástica olímpica e ensaios do próprio grupo no imóvel do século XIX restaurado pela Prefeitura do Rio.  Luciano Machado, coordenador técnico da Vila Olímpica, percebeu que a interação entre crianças e jovens da região com os ensaios foi bastante positiva. “A presença da CBB quebra paradigmas, já que as aulas que oferecemos de balé aqui são frequentadas apenas por meninas. Com os ensaios, meninos perceberam que também podem praticar a dança. Acabou o preconceito. Além disso, é o primeiro contato desses jovens com o balé profissional”, apontou Luciano.
Aulas de iniciação ao balé para crianças de quatro a 10 anos já faziam parte do quadro de atividades da Vila Olímpica. E continuam. O foco destas oficinas é a prática de atividade física e o lado mais lúdico da dança, diferente do novo trabalho de cunho profissionalizante. Coordenador e diretor da Cia Brasileira de Ballet, Jorge Teixeira conta que também tem uma relação direta com o mundo do samba. Ele está no comando da comissão de frente da Mocidade Independente de Padre Miguel. Durante os ensaios na Cidade do Samba surgiu a ideia de levar o projeto para os Galpões da Gamboa. “O objetivo do Aprendizes é abrir portas para novos alunos. Já temos vários casos de sucesso de edições anteriores e esperamos que essa nova leva de aprendizes também consiga viver da dança profissional no futuro”, torce Jorge.
Alunos que concluem o curso da CBB recebem registro de formação profissional em balé. Alguns podem estagiar na companhia. Segundo o coordenador Jorge, o caminho natural é que sejam incorporados por grandes companhias de balé clássico e contemporâneo do Brasil e do mundo.
Rafaeli da Conceição Inácio, 11 anos, moradora do Morro da Providência, sempre quis dançar balé. Ela frequentou as aulas da Vila Olímpica e sonha com as oportunidades abertas pelo curso da CBB. “Gostaria muito de virar bailarina profissional. Quando posso, passo horas vendo os ensaios da companhia. Tudo é lindo. Gosto tanto que estudo a dança pela internet, vendo vídeos de coreografias para reproduzir depois”, admite Rafaeli.
O período oficial de inscrições já terminou, mas interessados ainda podem se cadastrar na secretaria da Vila Olímpica da Gamboa (Rua da União, s/n). São 250 vagas para aulas de balé infantil, balé juvenil, dança de rua e iniciação à ginástica olímpica. A seleção dá prioridade a moradores da Região Portuária
Fotos: Helena Soares